Julia era uma adolescente que só queria ser amada e aceita, mas depois de ter sido atacada on-line, ela tentou se enforcar, pois ja tinha suspeita de depressão, Júlia morreu aos 16 anos.

Na semana passada, Derbyshire colocou rosas no túmulo de Julia para comemorar seu aniversário de 18 anos. Ele pediu mais educação sobre o ciberbullying nas escolas.

“Eu nunca desejaria que outros pais experimentem o que passei”, disse ele à BBC. Ele começou uma campanha após a morte de sua filha  para mobilizar o apoio contra o auto-dano e o suicídio.

Derbyshire foi entrevistada no programa “Hoje” com a BBC Radio 4. Julia morou em Missouri, EUA, e o bullying começou quando tinha apenas 13. Ela contou a um amigo sobre sua sexualidade. No entanto, em vez de mantê-lo em segredo como amigo, ela compartilhou com toda a escola.

Julia tinha sofrido bullying psicológico e físico on-line e mudou-se para o Reino Unido para viver com seu pai quando tinha 14 anos. Ela foi afetada mentalmente e até tentou voltar para os locais onde ela foi intimidada para convencer seus valentões de que ela não era uma pessoa ruim e estava apenas à procura de amor e aceitação.

Após uma tentativa de suicídio, Julia morreu cinco dias depois em outubro de 2015 aos 16 anos de idade.

Nos últimos dois anos, Derbyshire falou com pelo menos 200 mil crianças, aumentando a conscientização sobre sua experiência e o cyberbullying em geral.

Ele postou fotos do que seria o aniversário de Julia para difundir a palavra contra a ignorância sobre o ciberbullying. No entanto, ele admitiu que expor as fotos de sua filha era uma decisão difícil que ele tinha que fazer.

O que é Cyberbullying?

O Cyberbullying é um tipo de bullying que ocorre online. Uma criança usa um dispositivo eletrônico (smartphone, tablet, PC) para acessar ferramentas de comunicação, como bate-papo, texto, aplicativos de mensagens e sites de redes sociais. Os valentões usam essas ferramentas para enviar textos ameaçadores e espalhar rumores.

Cyberbulliyng pode ser praticado por pessoas bem conhecidas ou estranhos.

Prevenção do Cyberbullying

As crianças não contam aos pais quando estão sendo vítima. Portanto, os pais precisam estar atentos aos sinais e avisos. Os pais também podem acompanhar as mensagens de seus filhos usando o aplicativo de controle parental wspy. wspy é compatível com Android.

Se você suspeita que seu filho está sendo intimidado ou você rastreou suas mensagens e descobriu isso, converse com eles. Seja gentil e mostre apoio para incentivar seu filho a abrir-se sobre o que realmente está acontecendo. Os pais devem intervir a tempo de ajudar com pensamentos suicidas se o filho já for atingido por esse comportamento agressivo. É aqui que o wSpy é especialmente útil.

Como responder ao ataque cibernético

A maneira como você responde ao cyberbullying é importante. Se o seu filho está sendo intimidado, fale com eles e informe-os que você está lá para ajudar não apenas como pai, mas também como amigo. Se eles não conseguem se abrir, peça-lhes que falem com alguém com quem eles confiam, como sua esposa, professores, adultos confiáveis ​​ou mesmo um bom amigo.

Você pode conversar com seu filho sobre o ciberbullying mesmo antes que ele ocorra e deixá-los saber o que eles deveriam fazer, se alguma vez eles ficaram intimidados. Mantê-lo em segredo nunca pode ser uma solução. As crianças que estão sendo intimidadas devem deixar de responder aos atormentadores cibernéticos, porque quando eles não recebem nenhuma resposta de suas vítimas, eles finalmente desistem e vão embora.

Outra saída é bloquear os praticantes de entrar em contato com seu filho. Se os praticantes não conseguem alcançar suas vítimas, eles não são capazes de intimidar ninguém.

O aplicativo de controle parental wSpy rastreia mensagens de crianças e chamadas para ajudá-lo a saber o que eles estão compartilhando com os outros online. O aplicativo possui localização e GPS para ajudá-lo a monitorar seus filhos, mesmo quando eles não estão em casa.

Entre em contato para mais informações se ainda não tem certeza de lidar com o bullying.clique aqui

Comentários pelo Facebook